Quem foi Chico Mendes

Fonte da imagem: www.gentedeopinião.com.br

Ricardo Salles, o atual Ministro do Meio Ambiente, ligado aos ruralistas, defensor da flexibilização das licenças ambientais e condenado por improbidade administrativa por fraude no Plano de Manejo da APA do Rio Tietê, participou do Programa Roda Viva, da TV Cultura, no dia 11/02/2019. Durante a entrevista ele foi perguntado qual seria sua opinião sobre Chico Mendes.

O atual ministro disse: “Chico Mendes é irrelevante. Que diferença faz quem é o Chico Mendes nesse momento?”. Uma das entrevistadoras então disse que Chico Mendes é reconhecido até pela ONU. Salles então rebateu: “A ONU reconhece um monte de coisas erradas… a ONU tem coisas que…”

As barbaridades continuam ao longo do programa. É inadmissível que o comandante máximo da pasta que existe para defender o meio ambiente tenha uma atitude dessas.

Em consequência desse episódio, um dos assuntos mais comentados no dia 12, quando saiu a notícia, é sobre o Chico Mendes. E tenho certeza que muitas pessoas vão querer modificar a história e produzir uma avalanche de Fake News sobre o Chico.

Chico Mendes, assim como qualquer pessoa, não foi santo. Porém defendeu o meio de vida extrativista e a cultura de populações pobres no Acre, contra os interesses de grandes pecuaristas, que estavam devastando a floresta, e expulsando as populações tradicionais de suas terras.

É difícil falar de Chico Mendes sem falar sobre as Reservas Extrativistas.

As Reservas Extrativistas, apelidadas de ReSex, geralmente são áreas extensas, criadas para proteger os meios de vida de populações extrativistas tradicionais e assegurar o uso sustentável dos recursos naturais. Nas ReSex, portanto, são permitidas a criação de pequenos animais, que não causam grandes impactos, e também a agricultura, o extrativismo e a caça de subsistência. A visitação pública, educacional e as pesquisas científicas, são permitidas e incentivadas.

A exploração comercial de madeira também é permitida, mas somente com aprovação do Plano de Manejo Sustentável e o dinheiro obtido deve ser investido na própria comunidade. A exploração sustentável dessas áreas não visa lucro, mas a sobrevivência e manutenção da cultura e do modo de vida dessas pessoas.

Além disso as Reservas Extrativistas são muito importantes para a economia local e regional, pois fornecem matéria-prima para a fabricação de inúmeros produtos alimentícios e cosméticos, como açaí, castanha-do-pará e jaborandi, e protegem uma rica biodiversidade, inclusive muitas espécies ameaçadas de extinção, que são proibidas de serem exploradas.

As famílias que vivem nessas áreas não são donas da terra, que é de domínio público. A União, os Estados ou Municípios, concedem a posse à essas famílias, através de contrato.  Os extrativistas, em contrapartida, são obrigados a preservar, recuperar, defender e manter a Unidade de Conservação.

A origem das Reservas Extrativistas está ligada aos seringueiros, que na década de 1970 lutaram contra o desmatamento da Amazônia e o avanço dos pecuaristas, estes últimos incentivados pelo governo militar.

A figura central dessa luta foi o ativista, militante e político Chico Mendes, que liderou em 1985 o 1° Encontro Nacional de Seringueiros e a criação do Conselho Nacional dos Seringueiros. Em 1986 ele recebeu a visita, em Xapuri, no Acre, de membros da ONU, ocasião em que denunciou que projetos financiados por bancos estrangeiros estavam levando à devastação da floresta e à expulsão dos seringueiros. Chico Mendes também levou essas denúncias ao Senado dos Estados Unidos e ao Banco Interamericano de Desenvolvimento – BID. Essas denúncias levaram à suspensão dos financiamentos que promoviam o desmatamento e todos os problemas sociais decorrentes disso.

Logo fazendeiros e políticos locais acusaram Chico Mendes de “prejudicar o progresso” da região. Ao mesmo tempo que era ameaçado e perseguido pelos membros da então recém-criada União Democrática Ruralista (UDR), recebeu diversos prêmios internacionais, inclusive da ONU, por sua luta na preservação da Amazônia e do modo de vida dos seringueiros. Uma de suas maiores causas era a criação de áreas protegidas que garantissem a exploração sustentável da floresta e a sobrevivência dos seringueiros. Foi assassinado em 22 de dezembro de 1988 por pecuaristas da região.

A morte de Chico Mendes trouxe apoio mundial à causa dos seringueiros e da preservação da Amazônia devido, em parte, à cobertura do assassinato pela mídia internacional. A primeira Reserva Extrativista do Brasil, a do Alto Juruá, foi criada em 1990, no Acre. A Reserva Extrativista Chico Mendes foi criada na área onde ele morava, próximo a Xapuri, também no Acre. As Reservas Extrativistas foram então legitimadas e reconhecidas oficialmente pelo governo federal através da Lei Federal nº 9.985/2000 que institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação. Hoje o Brasil conta com 94 Reservas Extrativistas, que protegem mais de 15 milhões de hectares, a maior parte na Amazônia; e com um órgão responsável pela administração das Unidades de Conservação, que leva o nome Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – ICMBio.

Abaixo deixo um vídeo muito bom, com mais informações sobre essa grande figura, que talvez tenha salvado mais floresta do que todos os Ministros do Meio Ambiente juntos!

One thought on “Quem foi Chico Mendes

  1. Onilia da Penha Barreiro stefani

    Tem um pequeno córrego que passa dentro da minha propriedade na Aí na zona urbana e virou uma cratera enorme. A prefeitura disse que nao é responsabilidade deles de fazerem a entubaçao. Oque devo fazer

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *